terça-feira, 12 de junho de 2012

Namorado: Ter ou não Ter, é uma Questão


                                                                                                        

Quem não tem namorado é alguém que tirou férias não remuneradas de si mesmo. Namorado é a mais difícil das conquistas. Difícil porque namorado de verdade é muito raro. Necessita de adivinhação, de pele, de saliva, lágrima, nuvem, quindim, brisa ou filosofia.

Paquera, gabiru, flerte, caso, transa, envolvimento, até paixão é fácil. Mas namorado, mesmo, é muito difícil.

Namorado não precisa ser o mais bonito, mas aquele a quem se quer proteger e quando se chega ao lado dele a gente treme, sua frio e quase desmaia pedindo proteção. A proteção dele não precisa ser parruda, decidida, ou bandoleira: basta um olhar de compreensão ou mesmo de aflição.

Quem não tem namorado não é quem não tem um amor: é quem não sabe o gosto de namorar. Se você tem três pretendentes, dois paqueras, um envolvimento e dois amantes, mesmo assim pode não ter namorado.

Não tem namorado quem não sabe o gosto da chuva, cinema sessão das duas, medo do pai, sanduíche de padaria ou drible no trabalho. Não tem namorado quem transa sem carinho, quem se acaricia sem vontade de virar sorvete ou lagartixa e quem ama sem alegria. Não tem namorado quem faz pactos de amor apenas com a infelicidade. Namorar é fazer pactos com a felicidade ainda que rápida, escondida, fugidia ou impossível de durar.

Não tem namorado quem não sabe o valor de mãos dadas; de carinho escondido na hora que passa o filme; de flor catada no muro e entregue de repente; de poesia de Fernando Pessoa, Vinícius de Moraes ou Chico Buarque lida bem devagar; de gargalhada quando fala junto ou descobre a meia rasgada; de ânsia de viajar junto para a Escócia ou mesmo de metrô, bonde, nuvem, cavalo alado, tapete mágico ou foguete interplanetário.

Não tem namorado quem não gosta de dormir agarrado, fazer sesta abraçado, fazer compra junto. Não tem namorado quem não gosta de falar do próprio amor, nem de ficar horas e horas olhando o mistério do outro dentro dos olhos dele, abobalhados de alegria pela lucidez do amor. Não tem namorado quem não redescobre a criança própria e a do amado e sai com ela para parques, fliperamas, beira d'água, show do Milton Nascimento, bosques enluarados, ruas de sonhos ou musical no metrô.

Não tem namorado quem não tem música secreta com ele, quem não dedica livros, quem não recorta artigos, quem não chateia com o fato de o seu bem ser paquerado. Não tem namorado quem ama sem gostar; quem gosta sem curtir; quem curte sem aprofundar. Não tem namorado quem nunca sentiu o gosto de ser lembrado de repente no fim de semana, na madrugada ou meio-dia de sol em plena praia cheia de rivais. Não tem namorado quem ama sem se dedicar; quem namora sem brincar; quem vive cheio de obrigações; quem faz sexo sem esperar o outro ir junto com ele. Não tem namorado quem confunde solidão com ficar sozinho. Não tem namorado quem não fala sozinho, não ri de si mesmo e quem tem medo de ser afetivo.

Se você não tem namorado porque não descobriu que o amor é alegre e você vive pesando duzentos quilos de grilos e medos, ponha a saia mais leve, aquela de chita e passeie de mãos dadas com o ar.

Enfeite-se com margaridas e ternuras e escove a alma com leves fricções de esperança. De alma escovada e coração estouvado, saia do quintal de si mesmo e descubra o próprio jardim.

Acorde com gosto de caqui e sorria lírios para quem passe debaixo de sua janela.

Ponha intenções de quermesse em seus olhos e beba licor de contos de fada. Ande como se o chão estivesse repleto de sons de flauta e do céu descesse uma névoa de borboletas, cada qual trazendo uma pérola falante a dizer frases sutis e palavras de galanteria.

Se você não tem namorado é porque ainda não enlouqueceu aquele pouquinho necessário a fazer a vida parar e de repente parecer que faz sentido.

Enlou-cresça. 



Carlos Drummond de Andrade






quinta-feira, 10 de maio de 2012

O Exercício da Paixão






Eu estava conversando com minha amiga, Amanda (do blog Femme Apoteose), quando ela me falou sobre uma teoria que particularmente me deixou fascinado! Ela me explicou como alguns estudos mostram a paixão, e como ela age na nossa mente, e sabendo disso, podemos conseguir controlar ou não nossas emoções.

Primeiro vamos à definição de Paixão, dentro dessa teoria. Paixão nada mais é que o exercício do cérebro em pensar em alguém. Quando uma pessoa apresenta dificuldade, ou instiga você de alguma forma, lhe pondo em dúvida se você está ou não no controle, isso lhe faz coloca-la na zona de insegurança do seu cérebro, fazendo-o assim trabalhar mais nessa pessoa. É quando você se pergunta o porquê de ela não está na sua, o que falta pra conquista-la, o que você pode fazer para tê-la... isso vai gerando um vício em sua mente, abrindo um lugar para que essa pessoa se fixe. Sendo assim, começa a despertar o real interesse, a vontade, a necessidade de posse e conquista. Logo nos vemos apaixonados, quando se pensa na pessoa mais vezes ao longo do dia, quando tudo começa a mexer com suas emoções, e quando mexe com as emoções, tudo vira uma loucura.


Por isso a paixão é caracterizada por sua intensidade emocional, tudo está ao seu extremo, músicas fazem sentidos, sorrisos, poesias, pensamentos excessivos, e tudo que a gente sabe exatamente como acontece. Tudo é o cérebro se drogando com a endorfina e serotonina desse sentimento. Eis aquele ditado “tudo que é difícil é mais gostoso”. Por isso dos joguinhos de sedução, por isso que quando uma pessoa leva um fora, é quando ela começa a querer. É o cérebro, não aceitando a rejeição, começa a pensar “demais” na pessoa, e tornando disso um vício.


Paixão nada mais é que o vício emocional no pensamento em determinada pessoa.



Sabendo disso, você começa a entender melhor o tal “joguinho”. Não é se fazer de difícil, é querer fazer dar certo. Porque algumas pessoas precisam de um atrativo para despertar o interesse. Algumas pessoas já são o próprio atrativo, elas já são bonitas, charmosas, inteligentes, ou elas precisam despertar um atrativo, e muitos deles é justamente essa dificuldade.




Você com certeza já se perguntou como uma pessoa fora dos padrões de beleza feia consegue conquistar tantos outros. É porque ela tem segurança em seu atrativo, a dificuldade, assim ela consegue “jogar” com quem já é o próprio atrativo, e despertar assim o interesse neles. Se ela é “feia” ou não, não importa, eles vão querer “ganhar”. O resto, como simpatia, inteligência, carisma, dessas pessoas “feias”, é adicional, o que vai tornar a conquista mais gratificante, mas o passo inicial pra conquista ela já tem.

Por isso você precisa tanto alimentar a paixão, com conquistas diárias, palavras, gestos, e tudo o mais, para que possa se transformar em algo mais. Seu caráter e personalidade só vai constatar se aquela pessoa combina com você, para assim desenvolver o amor, que nada mais é que a segurança. A segurança de sentimento, tranquilidade, felicidade. Muita gente confunde paixão com amor, mas são sentimentos totalmente diferentes. Um é intensidade, seja por felicidade ou sofrimento, o outro é serenidade, segurança e harmonia de sentimentos.

Sabendo disso, você pode assim controlar seu coração. Percebendo que sua mente está trabalhando demais em uma determinada pessoa, podendo assim desenvolver um sentimento, não recíproco, você pode limpar isso, ocupando sua mente, mantendo-a ocupada com outras coisas que te dão prazer. Porque pensar em alguém é tão prazeroso que sua mente se vicia nisso, e fazer outras coisas que te proporcionam prazer ajuda e muito a tirar alguém da cabeça. Já percebeu?!


Em alguns casos não se precisa desse trabalho mental. Uma pessoa já desenvolve um interesse em outra naturalmente, seja pelo seu jeito, pela sua personalidade, e assim um elo se forma naturalmente. Mas quando se trata de pessoas, e ainda mais nos dias de hoje, isso está cada vez mais raro de se ver. Porque as pessoas já estão digamos traumatizadas, por já terem sofrido, ou passado por esse processo de conquista, e uma hora elas cansam, ou assumem um lado da história, o lado de ser conquistado, ou o lado de conquistador. Elas se estabelecem nessa zona de conforto, e quando são lhes apresentado algo que lhes faça sair dessa zona, isso desperta nela o interesse. Esse é o ponto da história.

Você pode sim controlar sua paixão, seja se permitindo ser conquistado, ou conquistando. Ou pode não controlar o que sentir, mas pode decidir o que fazer com esse sentimento. Basta saber que tudo é um trabalho mental. E sendo um exercício, leva tempo pra você dominar. Mas é possível.

Vale lembrar que esse “joguinho” tem que acabar uma hora. Quando a pessoa desejada for conquistada e ambos estão em sintonia amorosa, o importante é agora deixar rolar naturalmente, porque viver “jogando” uma hora cansa. E deixar rolar, é nesse momento que o que for pra ser concretizado acontece, e é só se entregar, porque o objetivo final é amar e ser amado. ♥



Pense em tudo isso e associe em determinadas situações com aqueles paqueras, vai fazer tanto sentido pra você como fez pra mim. E coloque em prática, é um exercício.


Domine seu pensamento, e dominando seu pensamento, você domina suas emoções!



segunda-feira, 9 de abril de 2012

A Validade de uma Amizade





Nunca dá pra saber quando uma pessoa está entrando na sua vida pra marcar ou pra ficar. Uns passam e são simplesmente intensos e te ensinam uma porrada de coisa, outros marcam um momento e fazem parte da sua história, e uns se tornam peças permanentes do seu mosaico emocional. Às vezes você até confunde e acha que quem é uma coisa, é outra, quem veio pra ficar, na verdade vai embora, e quem parecia irrelevante, se torna essencial. É tudo imprevisível.

Você conhece TANTA gente, mas tanta gente, e cada uma deixa uma marca em você, uma lembrança, seja física ou emocional. E você simplesmente não consegue planejar nada, tudo acontece naturalmente, e quando você vê, não consegue viver sem determinadas pessoas. Mas aí é que está, elas só vem pra te ensinarem, e não pra se prenderem a você. Uma hora ou outra, elas vão embora de alguma forma e deixam o necessário, algumas até levam algo com elas. Tem aqueles que só dão um tempo da gente. E depois reaparecem quando menos esperamos.

Uma hora você vai sentir abuso de alguns deles, é normal. São seus humores, suas ideias mudando, e tudo ao redor tem que se encaixar, inclusive as pessoas, e muitas delas mal acompanham suas mudanças. Por isso, amigos que antes eram fundamentais e te completavam, hoje eles parecem peças perdidas, e o assunto mal consegue um desfecho. E eles acabam virando apenas um contato no Facebook.

Existem aqueles que quando estão presente, TUDO faz sentido, mas eles tem mania de sumir. E até que você aprenda a se acostumar com isso, rola um sofrimento pra dar drama ao processo. Eles passam de meses ou até mesmo anos longe, e quando reaparecem, é papo e sentimento pra não ter fim.

O importante é você aproveitar cada um deles. Eles SEMPRE tem o que te ensinar, e você sempre se torna uma pessoa melhor. É importante renovar seu ciclo de amizades em determinadas épocas da vida, mas procure manter contato com os essenciais.

Mas o importante mesmo é você aprender a viver sem eles. Não que eles não tenham sua importância, pelo contrário, mas encontrar apoio em você mesmo vale muito mais que mil pessoas pra te ajudar se você não consegue se encontrar. Então seja amigo de si mesmo antes de fazer contato.

E lembre-se, seus amigos podem ser fieis e verdadeiros e irmãos pra toda hora, mas ninguém tem obrigação te aturar suas cagadas. Eles podem se acostumar e aprender a conviver, mas obrigação eles não tem. Então repense sobre suas atitudes. Aja com eles como você quer que eles ajam com você.

E se for pra tirar um tempo para si mesmo, tire. É de suma importância. Mas lembre-se de lembra-los o quanto eles ainda fazem parte da sua vida. Amigos são como uma planta que precisa ser regada sempre. Aliás, qualquer relação é assim.

E uma dica, trocar um amigo por um amor ou paixão tem um preço muito alto.

E como dizia Vinícius de Moraes, “Eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos!


sábado, 7 de abril de 2012

Capítulo Paralelo :: "Eu, Meus Sapatos e Os Namorados"





Colapso Emocional 







– Alô? Isabela? – ela grunhiu do outro lado da linha – Acorda amapoa. To preocupado!
Lucas? O que aconteceu?
– Karla. Ela não me atende.
E daí? Ela tem as luas dela.
– Você já viu as fotos que ela postou no Instagram? Comida... besteira... lixo... isso não é normal. – Isabela parecia analisar os fatos – E outra, entrei no Facebook dela antes de ontem, e vi uma conversa dela com o Julio.
Ai meu Deus... ele deu o fora?
– Pior... ela deu o fora.
Hein??? Não faz o menor sentido!
– Justamente. Então ela some o feriado inteiro e ainda não me atende. Alguma coisa não está certa... A Paula tá me ligando. Liguei pra ela agora a pouco. Vou colocar ela na linha...
Oi vadias. Acabei de falar com o Rafael, e parece que a Karla não apareceu no jantar da família ontem. Então, o papo sério mesmo.
– Então pronto. Motivos suficientes pra intervirmos. Encontro vocês em meia hora na porta do prédio dela.
Meia hora não, viado! To fazendo meu cabelo. – falou Paula.
– Tá! Uma hora. Aproveita e leva esse teu material de travesti.

Fim da ligação.

Uma hora e meia depois elas estavam em frente ao prédio vermelho. Paula foi a ultima a chegar, saindo do táxi cheia de sacolas. Ignorando o olhar repreendedor de Lucas pelo seu atraso, ela passou jogando o cabelo e entrando no prédio com os dois logo atrás. Já no hall, um som alto invadiu seus ouvidos, e parecia estar vindo do apartamento de Karla. A música simplesmente se repetia, “Good Girl” da Carrie Underwood tocava alto e parecia sem fim. Elas se entreolharam e tocaram a campainha.  Nada. Bateram a porta, e nada. Então Lucas puxou a maçaneta, estava aberta.

Assim que entraram, uma camada de restos de comida no chão lhe receberam. Calcina, blusa e shorte pareciam se misturar na sala. Pratos sujos e cheios de formiga enfeitavam as mesas. Pacote de salgadinho e um cheiro de pipoca com chocolate se misturava no ar. Parecia que uma festa dos sem-teto tinha rolado na noite anterior. Na televisão, um filme aparentemente romântico estava passando, mas seu som era abafado pela música alta.

Quando foram surpreendidas por pisadas fortes vindo do quarto, Lucas e Isabela correram para atrás de Paula que sacou o secador da bolsa e apontou para o corredor. Uma Karla totalmente descabelada vinha pulando do quarto em direção à sala. Eram braços e pernas sem direção e uma cabeça giratória. Uma blusa longa e uma calcinha bege era tudo que preenchia seu figurino. Lucas levou as mãos à boca e Isabela parecia paralisada. Paula engoliu o susto e desligou o som. Karla parecia desnorteada e se assustou com as amigas alí em sua sala.

– Gente! – falou com a voz rouca e abafada – Mas que surpresa!
– O que é isso, mulher?! – Lucas foi o primeiro a falar.
– He’s no goooooooooood! NO GOOOOOD FOR YOUUU!!! – Karla começou a repetir sem parar.
Lucas avançou em cima dela, agarrando-a pelos braços e lhes deu um tapa na cara que a fez cair no chão. Isabela deu um grito de susto.
– Você tá louco? Eu to morta, não to dormente. – resmungou Karla sentada no chão.
– O que você pensa que tá fazendo, mulher? Que morta o que? – gritou ele. Então ela começou a chorar – Ai Deus! – disse ele batendo os braços e foi na cozinha pegar um saco grande e começou a jogar as embalagens de comida dentro. Isabela pegou uma vassoura e sem saber exatamente o que estava fazendo, começou a varrer as migalhas.
Paula se aproximou dela no chão e começou e arrumar seus cabelos, as sobrancelhas peludas de Karla lhe deram um susto.
– Minha filha... a que ponto chegamos... – e lhe enxugava as lágrimas. – Não acredito que o Julio mexeu tanto assim com você.
– Nem tanto... Mas foi intenso demais! Nem é tanto por ele. É por mim mesma. Não tenho a porra de sorte nenhuma nessa vida!  - soluçava Karla.
– Como assim?! Gente, e o Bruno? O George... Se eu tivesse sorte pra homem gostoso assim eu tava mais feliz!
– Ahhh Paula, você é perfeita! Pega homem mais gostoso que eu e ainda consegue separar as coisas! Eles ficam loucos por você e você sai ilesa! Ahh se eu fosse assim...
– Babyzinha, tudo é uma questão de treino... agora levanta daí, vai. Vamos tomar um banho.

Enquanto Paula esfregava com força a pele de Karla com uma esponja, Lucas entrou no banheiro.
– A Isa tá terminando de limpar tudo... AHH! – a visão entre as pernas de Karla lhe paralisou – O que é essa tarântula aê, gente?!
– Ai, para viado! Num quero papo... pra que se homem só quer isso mesmo? Pois que tenha assim, como Deus fez.
Paula deu uma risada.
– Deus fez, uma porra. Cadê a cera, já!
Dez minutos depois ele reapareceu com uma panela quente e uma tigela de vidro dentro da água fervente. Karla choramingou.
– Amor, é pro seu bem. – disse Paula.

Foram longos vinte minutos de resmungos e gritos de dor vindos do banheiro, e Isabela terminava de jogar as roupas no cesto quando chegou no quarto, todas estavam sentadas na cama, Paula secava os cabelos de Karla com o secador.
– Isa, me passa a pinça que tá na bolsa roxa. - peiu Lucas.
E os olhos de Karla surgiram enfim, depois que sua grossa sobrancelha desapareceu.
– Agora me conta, o que aconteceu? Por que dispensou o Julio se ainda gosta dele? – perguntou Paula, manuseando o secador numa mão e a escova em outra.
– Ah, cansei. Ele não tava afim de nada sério. Eu não ia ficar investindo em algo incerto. Ele tava passando por muitos problemas e não me deixava ajudar...
– Isso me parece desculpa esfarrapada. – disse Isabela separando os esmaltes.
– Pode ser. Mas talvez estejamos apenas em momentos diferentes. Então antes que eu caísse de cabeça nessa, achei melhor esclarecer as coisas e cada um na sua.
– Ai... dispensou aquela boca? Coragem... – disse Lucas.
– Assim, deixei claro que se ele quiser ficar, até pode ser...
– Mas você sabe que isso é perigoso né, amor? Ele pode achar que tem você quando ele quiser. – disse Isabela.
– Que pense. To nem aí. Ele transa bem mesmo. Se quiser, que venha. Só não posso mais é ficar esperando. Mas bateu uma depressão, sabe... eu adorei demais ele. Queria tanto que tivesse dado certo... Sou uma azarenta. Sempre que eu quero, que eu gosto, não da certo!
– Mas quando o bofe fica louco por ti, tu se faz de doida. – resmungou Lucas – O Bruno ficou semanas na tua cola.
– Pois é... eu queria poder mandar no coração... eu até tento... mas é foda...
– Agora chega dessa palhaçada. – disse Paula, jogando o cabelo sedoso e escovado de Karla pra frente – Vamos terminar aqui logo que eu tenho um monte de coisa pra organizar ainda. Quero vocês em duas horas na The One. É quando vou mandar o Taio começar a dançar.
– Não! O Taio vai dançar hoje?! Estou em chamas! – Lucas se abanou.
– Não gente.. Não quero balada hoje.. na boa.  – disse Karla.
– Ah não! Até eu to querendo! Vou avisar pro Vini que ele tá liberado pro jogo na casa dos amigos. – Isabela pegou o celular.
– Sem desculpas. – Paula se levantou, pegou a bolsa e olhou pro reflexo de Karla no espelho – Meu trabalho aqui está pronto. – disse orgulhosa de si mesma – E aproveita e passa na Cloe Shoes e pega aquele scarpin azul de veludo que você gostou. Já está separado.
– Ah! Sério?!?!?! – Karla se emocionou – Isso é chantagem cara!
– Então sem desculpas. Beijos. - e saiu fazendo barulho com seu salto porta afora, e gritou da sala – Nossa! Vou chamar vocês pra limparem minha casa. Arrasou!

Karla se olhou no espelho e de repente se sentiu renovada. Aqueles dias foram ótimos pra colocar tudo pra fora. Agora já era tempo de sair e brilhar novamente. Até porque seus sapatos eram os mais bonitos da noite.

terça-feira, 3 de abril de 2012

O Velho Papo de Quem eu quero Não me Quer





Quem disser que nunca passou por isso está mentindo. Faz parte da formação emocional de qualquer pessoa. Querer alguém platonicamente, sofrer por alguém que não lhe dá a mínima, ou simplesmente não conseguir retribuir um sentimento de uma pessoa por você. Mas quer saber o porquê isso acontece? Bem... quando você souber, me conta!


Brincadeira à parte, eu tenho minhas teorias, e uma delas é bem conformista, de que o ser humano é assim mesmo. Quando nossa mãe dizia "tudo que vem fácil perde seu valor", tem um algo a ver com isso. Tem aquela pessoa que você conhece, se interessa, e ela de repente gosta de você mais do que você dela. Mas ela gosta MESMO. Se entrega, se declara, olha pra você com aquele brilho, mas infelizmente você está em uma sintonia diferente. Isso vai da personalidade de cada um. Uns simplesmente se apaixonam rápido mesmo, outros, talvez por já terem sofrido, são mais freados e preferem deixar o tempo agir. Outros simplesmente se bloqueiam. Mas tipo, quando a pessoa parece estar louca por você, em algum momento ela perdeu seu valor, e você se vê querendo estar fora dessa. 

Alguns simplesmente gostam do desafio, da conquista, alimentar o ego em batalhar por alguém. Porque tudo que é mais difícil, o prêmio é mais gostoso. Muitos homens são assim. Agora imagina uma relação gay masculina, dois seres que gostam de conquistar, fazer o difícil, e alimentar o ego um do outro... é uma coisa muuito sem fim. Alguém pode sair machucado, e certamente o que se apaixonar primeiro. 

Por isso mesmo gostar de alguém que não gosta de você na mesma intensidade é tão compreensível por conta disso. Muita gente parece que gosta de sofrer, mas é o ego dela falando mais alto! Ela se pergunta diariamente "Porque ele não me quer?" "O que eu tenho de errado?" "O que eu posso fazer pra conquistar essa pessoa?" E nesse momento, todo o amor próprio se vai pelo ralo. Até o mais confiante e com autoestima no céu, em algum momento já passou ou vai passar por isso, louco querendo alguém. Tô dizendo, é o maldito EGO.

Agora quando isso acontece, enquanto você pensa "ah, ele já está na minha" e perde o interesse, tem alguém alí louco pra te fazer feliz, e você simplesmente não se permite porque "já tá no papo". Tá perdendo uma oportunidade...

Alguns realmente se bloqueiam por já terem sofrido uma vez e claro não querem sofrer de novo. Mas vou te falar uma coisa, pra conquistar o amor, você passa pela paixão, e paixão em algum momento é sofrimento, que seja por ciúmes, que seja por algo não esclarecido, ou por não ter aquela pessoa, mas o sofrer, meu amigo, faz parte! Significa que você tentou! Sofrer é sentir. E sentir é viver. Não tenha medo de sofrer, porque o amor é ausência de sofrimento, amor é pleno, amor é a maior das conquistas.


E aqueles que simplesmente gostam de conquistar e depois jogar fora. Ah meu bem, tenho uma notícia pra vocês, Aqui se faz e Aqui se paga. É a lei do retorno, o que você faz para o outro um dia voltará pra você. Então eu nem me estresso... 

E aquelas pessoas que tem maniiiia de gostar de quem não gosta delas, só peço uma coisa, não esqueçam do amor próprio. Lutar por alguém sempre vale a pena, mas tudo tem seu limite. Lute por algo concreto, lute por algo que te faz ter certeza que vai te trazer Felicidade, mas quando te faz mal... Reze para se libertar desse sentimento, porque essa pessoa não te merece.


E se você simplesmente não tem culpa por não conseguir retribuir um sentimento a alguém, seja sincero. Tentar se enganar ou enganar alguém só traz malefícios. Fale, fale a verdade. Vai ser doloroso no primeiro momento, mas tudo tem uma forma suave de se falar. Mas seja sincero. Ambos vão sair ganhando quando perceberem que foi só o melhor um para o outro. 

Se quiser entrar num relacionamento bacana, de uma forma tranquila, tenho uma dica aqui que pode ajudar. Eu particularmente leio sempre tentando me manter na linha e não meter os pés pelas mãos.

E lembre-se, o Amor sempre vale a pena.



quinta-feira, 22 de março de 2012

Sem dizer Luto, mas que sinto muita Falta...






Sim, ela parecia diferente. Primeiro eu achei que os pelos estavam caindo mais do que o normal, mas quando ela ficou quietinha, me chamou atenção. Então começaram minhas desconfianças “Fudeu! Ela está grávida.” Então a barriga começou a inchar, e eu tive certeza. As costelas estavam mais salientes, então pensei que a gravidez fosse a grande culpada. Mas quando reparei na ração mofada, me alarmei. Ela simplesmente não estava comendo! E estava quieta cada vez mais... passava horas deitada no mesmo lugar. Então, por falta de grana, não a levei ao veterinário, mas fui em busca de informações com amigos e conhecidos, e quando me falaram que falta de apetite não era sintoma de gravidez, me preocupei. Pedi ajuda à minha mãe, pois me informei que uma simples consulta estava totalmente fora do meu orçamento. Ela parecia cada vez mais mufina e magra, e minha mãe me ajudou.

Eu estava no trabalho quando minha mãe me ligou do veterinário, primeiro ele disse que ela estava com fetos mortos no útero, e tinha desenvolvido uma Hepatite. Fomos em busca do que fazer, mas ele disse que lhe restavam poucas horas de vida, e quando ele cogitou sacrificá-la, meu coração deu um salto e comecei a chorar, pedindo que tentássemos mais para salvar sua vida. Então minha mãe se negou. Levamos em outro veterinário, e o diagnóstico correto: era hepatite mesmo, mas o que parecia ser um feto, era seu fígado inchado.  Então ele receitou um remédio e uma dieta à base de leite condensado, mas não depositou esperanças.

Eu só queria estar perto dela, tentava lhe dar o leite na boca com uma seringa, mas ela parecia se negar a tomar. Vomitava, mas nós tentávamos. Eu estava cheio de esperanças. Ela era minha grande companheira, meu carinho diário, minha criança.. Mas quando minha mãe me ligou no outro dia chorando, eu parecia não sentir o ar. Corri para casa, e ela estava alí, deitada, o movimento de sua respiração era a única coisa que eu via... Então deitei ao seu lado pedindo-lhe para resistir e voltar para mim, e ela pareceu saber que eu havia chegado. Poucos minutos depois, deu seus últimos suspiros. Eu estava inconsolável, para onde fora minha menina, minha princesa, como eu a chamava, o que eu iria fazer ao chegar em casa, por quem eu iria chamar agora...

A enterrei no parque...





Quando chego em casa, ainda olho para o chão, e a vejo me esperando, ou procurando uma brecha para dar uma escapada... na brecha da porta do meu quarto, ainda a vejo parada olhando pra mim, como se me admirasse em silêncio. Ainda a sinto chegando de mansinho e tocando levemente sua patinha em mim pedindo carinho, com seus grandes olhos expressivos. Ainda a vejo no parapeito da sacada, olhando pra baixo, vendo o movimento, assistindo o tempo passar...



Para onde foi minha amiguinha, que em dias frios dormia em baixo da minha cama, ou atrás da porta.. Aquela princesa com mania de nos morder como forma de demonstrar seu carinho... que deitava em cima da gente toda folgada e nos cheirava delicadamente... Minha sapeca, que adorava brincar de pega-pega comigo, se escondia atrás da parede e agarrava meus pés quando eu passava. Minha bebê, que dormia toda enrolada feito uma almofada.. Ela miava quando eu a chamava, quando eu soltava beijos... agora só olho pra uma janela vazia...




Minha mãe me fez refletir, por que não reparei antes? Quem sabe uns dias antes e eu poderia ter salvo sua vida. Talvez se eu estivesse mais ligado ao meu redor, em vez de perder tempo com coisas fúteis, e prestar mais atenção às criaturas que estavam para simplesmente me dar carinho. Era minha responsabilidade cuidar dela, cuidar do seu alimento, da sua caixinha de areia, do seu banho, do seu aconchego...





Deitado ao seu lado, olhando para seus olhos desfocados, eu lhe pedia perdão, e lhe agradecia pelo companheirismo e pelos momentos de alegria que havia me proporcionado, porque ela era uma gatinha diferente, de todos a mais carinhosa, parecia falar com olhar... Eu sabia. Mas era sua hora, seu momento, e eu estava lá. Ela só me esperou para se despedir, me ouvindo chamando-a de princesa, enquanto dava seus últimos suspiros. Ela tinha feito de alguma forma seu papel nessa vida, e partiu em busca de sua evolução.



Mas sempre vou lembrar dela como Minha Princesa Nhamm ♥.






*Seu nascimento*









Obrigado meu amigo Hugo por ter trazido essa vida pra encher de vida um momento da minha vida..



terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Homem Bonito nem sempre Fica por Cima




Sabes o que eu aprendi nesse carnaval?
Que carro parado é motel disfarçado, cuidado, cuidado tem gente fazendo infica  infica  infica!
(isso saiu da cabeça @John Oliveira)

Ainda me lembro dos cafuçus todos atracados um no pescoço do outro gritando "Eu quero um TCHU TCHA TCHA TCHU TCHU TCHA!" e uma euforia sem tamanho! Dormir nesse feriado foi uma utopia, dormência nos pés é uma dádiva e levar tapa na bunda é consequência. Sem contar que todo mundo aproveita, porque já pode se montar! É nessa época que todos os boys colocam pra fora esse sentimento travestchy e caem na gandaia vestindo aquela saia deixando a bochecha da bunda de fora. E eu? Também claro Adoro!

E minha primeira, e mais revoltante, conclusão desse carnaval é que boy magia nem sempre fica no controle da situação, pelo contrário, usa até coleira. Literalmente! Lindo, bem de corpo, charmoso ao extremo e gente boa, mas quem tá do lado? Uma mosca morta, sem sal, ciumenta, controladora e rapariga, claro. Tentei resumir. Porque além de tudo a mana ainda era revoltada! E comigo! O que ela achava, que eu ia catar o boy dela? Tenso, porque se eu conseguisse, mesmo vestido de mulher, ela tinha que vê isso aê.. Mas minha revolta final era que a menina ficava se jogando pros caras quando o Boy magia não tava perto, e se ele dançasse com minhas amigas, levava dedo na cara. E no dia que ela não estava com a gente, ele ficou preso no telefone com a dita cuja e acabou perdendo toda a festa.

Eu sinceramente não entendo isso. O cara podia ter qualquer menina e menino que quisesse e ficava se arrastando pra mosca morta enquanto ela fazia a abusada com todo mundo. Se bem que eu adorei quando ele se enkaralhou e sumiu indo no banheiro, e quando vi, tava rondando umas piriguetes. Lavei minha alma lavaria melhor se ele tivesse me rondando. Mas no final, colocou o rabo entre as pernas e ficou cheirando o cooh a bunda da enjoada.

Então, gatinha, beleza pode não ser tudo, ajuda à primeira vista, mas confiança e amor próprio sobressaem qualquer coisa. E mais, vá ser desagradável na poota que a pariu! Porque pode ter esse boy magya na mão hoje, mas um dia eles acordam e quem fica só? Preciso nem responder...






Agora que da dó um boy desse se desperdiçando assim! Eyke mal aproveitado! rsrs



quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Quando um Beijo muda Tudo


Rascunho....


"Simplesmente não se tem como prever o que vem depois. Uma hora, tudo está em seu devido lugar, o coração batendo na velocidade de costume, a respiração na intensidade normal, e a temperatura estável. Se tudo mudar para seus respectivos contrários de funcionamento, melhor rever isso.

Na hora, nada mais importava se não a diversão, o momento, a loucura, ainda mais quando se está fora do estado normal de consciência. Mas uma hora eu voltei o raciocínio, e a cena não para de se repetir na minha cabeça, pelo menos do que eu consigo lembrar. O que me vem na mente logo de cara foi o prazer momentâneo de “está acontecendo”, e ao mesmo tempo tudo parecia fora do chão. A boca era mais do que uma simples boca, eram colchões onde eu podia deitar meus lábios e mais do que relaxar, era uma massagem estimulante! O calor era simplesmente intenso, a pressão constante, a respiração vulnerável, e de repente eu estava fora de órbita. Quando tudo parou, foi como tirar o plug do Matrix da minha cabeça, e eu voltei a si. Arrependimento, não exatamente, eu apenas tentava entender. E nada me vinha a não ser o sorriso sem graça."

Mas sabe o que aconteceu no final das contas? Nada mudou... Continuamos os mesmo, sentindo as mesmas coisas, vivendo a mesma vida. Pelo menos ninguém saiu perdendo e nossa amizade permanece intacta! 

Menos mal...

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...